As letras das novas músicas do FF!

Junho 4th, 2007 Colocado em Morangos

(Clica na imagem para ampliar)
1- A música Nasce:
Tempo suspenso, é o momento de regressar
– Começo a criar.
Rasgando o silêncio, respirando agora…
É espelhar num momento de batida do coração,
Libertar cada letra, dissolvendo a razão.

Grava no tempo e o tempo crava na voz
A voz do momento, num momento veloz.
Sente o som a deslizar,
Ensina cada ritmo a expulsar…
A música nasce (para te poder levar).

Desconstrução: cifra a mensagem a desvendar
– Subliminar.
Troca palavras, é o momento de experimentar.
Deixa vibrar o sentido criativo, efusivo,
Escondendo numa só palavra a origem da criação.

Grava no tempo e o tempo crava na voz
A voz do momento, num momento veloz.
Sente o som a deslizar,
Ensina cada ritmo a expulsar…
A música nasce (para te poder levar).

No foco, no centro
Da tua ambição,
Respira memórias,
Materializa inspiração…

Constrói num momento:
Simplificações,
Segredos que não vais poder guardar para ti

Sente o flow que te dou neste tom,
Rimas e melodias misturadas neste som…
… Rasgo o compasso e não o faço por fazer,
Agora tá na hora, sem demora, de te fazer ver que
Música é assim e não há cá diferenças…
Um tempo p’ra curtir e as ideias são imensas.
Espero que entendas o que estou a dizer senão…
1. 2. 3. FF é a tua vez.

Grava no tempo e o tempo crava na voz
A voz do momento, num momento veloz.
Sente o som a deslizar,
Ensina cada ritmo a expulsar…
A música nasce (para te poder levar).

Grava no tempo e o tempo crava na voz
A voz do momento, num momento veloz.
Sente o som a deslizar,
Ensina cada ritmo a expulsar…
A música nasce (para te poder levar).

2 – E tudo é tão frágil:
Quanto mais te deixares cair,
Quanto mais te deixares partir,
Esperas que eu suspire com sede de querer…
…Um pouco mais de ti.

Oh… Não vás – mentir mais uma vez,
Lanças ilusão
Na idade dos porquês…

Ou então…
Faz-me acreditar
Na tua paixão,
Deixa-me ficar
Em tudo o que é tão frágil,
Em tudo o que é tão frágil…

Quanto mais me deixares cair,
Quanto mais me deixares partir,
Brincas com os meus medos,
Só p’ra me iludir
Num pouco mais de ti…

Oh… Não vás – mentir mais uma vez,
Lanças ilusão
Na idade dos porquês

Ou então…
Faz-me acreditar
Na tua paixão,
Deixa-me ficar
Em tudo o que é tão frágil,
Em tudo o que é tão frágil…

Não quero nem saber,
Talvez nem entender,
Eu quero acreditar:
Tudo o que vai vem!
Eu quero acreditar,
Talvez nem entender,
Não quero nem saber!

E tudo é tão frágil…
E tudo é tão frágil…
E tudo é, e tudo é, e tudo é, e tudo é, e tudo é…
…E tudo é tão frágil.

3 – Será que não vês:
Tens olhos felinos,
Transpiras prazer…

O que ambicionas
Acabas por ter…

Não tens inimigos,
Nem tempo p’ra amar…

Sorris como um anjo / na rua
És Diabo a andar!

Será que não vês
Que estás a perder?
É medo o que sentes?
Não queres saber?
Do que é que precisas?
Porque é que não dás
Um momento, um segundo…
Abre a porta e verás
Um mundo a teus pés!
Estão a chamar por ti,
Não vale a pena lutar,
Para quê fugir?
É mais forte que a razão…
E tu não vais resistir…

Independente,
Não queres ninguém.

Controlas o tempo
De quem te detém!

Em tudo o que fazes
Não há emoção…

Nada te assusta, não tremes,
Pedra no coração!

Será que não vês
Que estás a perder?
É medo o que sentes?
Não queres saber?
Do que é que precisas?
Porque é que não dás
Um momento, um segundo…
Abre a porta e verás
Um mundo a teus pés!
Estão a chamar por ti,
Não vale a pena lutar,
Para quê fugir?
É mais forte que a razão…
E tu não vais resistir…

Todo o tempo a pensar – tudo estava vencido;
Todo o tempo a correr – nada me vai prender;
Todo o tempo do mundo – preso na minha mão;
O que foi um segundo é ilusão!

Será que não vês
Que estás a perder?
É medo o que sentes?
Ou não queres saber?

Um mundo a teus pés!
Estão a chamar por ti,
Não vale a pena lutar,
Para quê fugir?
É mais forte que a razão…
E tu não vais resistir…

Um mundo a teus pés!
Estão a chamar por ti,
Não vale a pena lutar,
Para quê fugir?
É mais forte que a razão…
E tu não vais resistir…

4 – Não quero ver o Fim:
A noite chega
É primavera
A tua voz
É sonho de papel
Tento dormir
Mas só penso em ti…

É mais um dia
Será que te vou ver
O mundo pára
Não sei o que fazer
A noite cai
E tu não estás aqui

Não vou parar
Até te poder dizer:

Desculpa, não te quis magoar
Não quero segredos nem mentiras
Que possam mudar aquilo que nos une
Não quero ver o fim…

Vamos ouvir
A voz da razão
E ver o fim
Desta nossa solidão
O importante é ter um rumo a seguir

Vou-te encontrar
P´ra te poder dizer:

Desculpa,não te quis magoar
Não quero segredos nem mentiras
Que possam mudar aquilo que nos une
Eu quero estar contigo…

Desculpa,não te quis magoar
Não quero segredos nem mentiras
Que possam mudar aquilo que nos une
Não quero ver o fim…

Descobrir, o que é viver
Alimentar,este sonho até morrer…

Desculpa,não te quis magoar
Só quero contigo regressar…

Desculpa,não te quis magoar
Não quero segredos nem mentiras
Que possam mudar aquilo que nos une
Não quero ver o fim…

5 – As letras do teu nome:
Parou, no tempo, o meu olhar,
Ficou parte de mim…

Sonhei um dia encontrar
O que imaginei

É o teu sorriso…
As tuas convicções…

Já não é preciso
Esconder as emoções

Vou lá estar
Desenhar-te, em cada folha de papel
Vou escrever
Um gesto teu é musical e
Vou cantar
O primeiro beijo, as letras do teu nome…

Se fores agora, vou guardar
O momento principal

Não vou sentir qualquer rancor,
Quero ser original.

E se me disseres
“Acabou, não vou voltar,

Esquece o que vivemos”
Vou te perder p’ra me encontrar

Vou lá estar
Desenhar-te, em cada folha de papel
Vou escrever
Um gesto teu é musical e
Vou cantar
O primeiro beijo, as letras do teu nome… As letras do teu nome…

6 – Eu só quero ser:
Pedes sempre mais
…Mais do que sou
Mas tu nunca vais
Ver o que falhou

Viver do passado
Não saber parar
Quando o meu futuro
Não pode esperar

Descobri quem sou
Por viver assim
Sempre preso a ti
E a tudo o que falhou

Todas as promessas
De um futuro a dois
São hoje retratos
De desilusões

Eu só quero ser
Quem sou
Sem medo de errar
Continuar a dar
O que sei e o que sou
Eu só não posso ser a dor
A dor que guardas em ti

Sei que tens p’ra dar
O que eu quero ter
Mas não vou esperar
Até te perder

Se o mundo não pára
Nem espera por ti
Também o meu sonho
Não acaba aqui

Continuar a dar
O que sei e o que sou
Eu só não quero ser a dor
A dor que guardas em ti

Continuar a dar
O que sei e o que sou
Eu só não quero ser a dor
A dor que guardas em ti

7 – Mais um amanhecer:
Por esta estrada
Que tantas vezes eu já percorri
Encruzilhada
Onde tantas vezes eu já me perdi

Já tive mágoas sem saber porquê…
Mas sei que fazia tudo outra vez

Mais um amanhecer
Mais uma nova razão p’ra viver
Deixa o dia entrar
E a vida começar
Mais um amanhecer…
Mais um amanhecer…

Já fui o Sol
A brilhar num fim de tarde de Verão
Já fui a chuva
Que chorou nas nuvens no meio da escuridão
Já quis fazer o tempo andar p’ra trás
Mas o nosso tempo é o que dele se faz

Mais um amanhecer
Mais uma nova razão p’ra viver
Deixa o dia entrar
E a vida começar
Mais um amanhecer…
Mais um amanhecer…

Mais um amanhecer
Mais uma nova razão p’ra viver
Deixa o dia entrar
E a vida começar
Mais um amanhecer…
Mais um amanhecer…

8 – Eu sou o tempo que parou:
Tempo,
Faz algum tempo que tudo mudou
Silêncio!
Hoje eu sei que o tempo tudo já levou
Tempo,
Quanto eu peço ao tempo p’ra voltar atrás
Silêncio,
Fui eu o culpado por não ter tempo para nós.

Andando, correndo, voando contra o tempo,
Deixámos tanto por viver
Eu não te vou perder

Eu sou o tempo que parou, por não estares aqui
Eu voo p’ra chegar mais perto de ti
Já não sei viver assim

Sei que
Errei por não te ter dado mais de mim
Sei que
Ainda existe amor, não é o fim

Andando, correndo, voando contra o tempo,
Deixámos tanto por viver
Eu não te vou esquecer

Eu sou o tempo que parou, por não estares aqui
Eu voo p’ra chegar mais perto de ti
Já não sei viver assim

Eu não vou desistir
De te poder amar
Ao teu lado, quero estar

Sou o tempo que ficou
Deixámos tanto por viver
Nunca mais te vou perder

Eu sou o tempo que parou, por não estares aqui
Eu voo p’ra chegar mais perto de ti

Eu sou o tempo que parou, por não estares aqui
Eu voo p’ra chegar mais perto de ti
Eu sou…

9 – Vou vencer:
Pensei que tudo estava bem
Que tudo ia ser mais fácil
Agora sei que renascer
Será um trunfo p’ra vencer… E tu vais ver

Eu não vou esquecer
O que tenho p’ra te dar
Eu só vou compreender
Se te conseguir levar
Eu não vou desistir
Sei que vou conseguir
Tu vais ver (vais vencer – coro)

Não sei que mais possa dizer
O tempo corre, tudo foge…
Eu vou-te querer surpreender
Sei que não me queres ver sofrer, a perder…

Eu não vou esquecer
O que tenho p’ra te dar
Eu só vou compreender
Se te conseguir levar
Eu não vou desistir
Sei que vou conseguir
Tu vais ver (vais vencer – coro)

Nada vai mudar
Eu vou continuar
Este sonho que há em mim
Nunca vai chegar ao fim

Eu não vou esquecer
O que tenho p’ra te dar
Eu só vou compreender
Se te conseguir levar
Eu não vou desistir
Sei que vou conseguir
Tu vais ver (vais vencer – coro)

…O que tenho p’ra te dar
Eu só vou compreender
Se te conseguir levar
Eu não vou desistir
Sei que vou conseguir
Tu vais ver, tu vais ver, vou vencer…

10 – Flutuar:
Será que hoje não vais dizer
“Segue um caminho, não te deixes ultrapassar

Não faças nada por diversão”
Mas eu não, não sou brinquedo na tua mão

Desta vez tu não vais antecipar
A minha raiva de te pôr no lugar

Espera e ouve com atenção
Eu não vou repetir
Não me prendas à tua ambição!

Esquece as regras
O medo – soprá-lo ao vento
É um momento sem leis
Não és tu quem me vai impedir
De sentir como meu
Todo o espaço que piso
No céu vou deixar todas as tuas ideias – flutuar

Já me cansei de te dizer que não quero, não…
Viver a vida ao sabor do dinheiro, em vão…

Se tudo o que vês
São momentos banais
Não vais atingir,
Nós não somos iguais…

Esquece as regras
O medo – soprá-lo ao vento
É um momento sem leis
Não és tu quem me vai impedir
De sentir como meu
Todo o espaço que piso
No céu vou deixar todas as tuas ideias – flutuar

Age no tempo
Este é o teu momento
Não te deixes controlar
É o teu mundo a gritar

Esquece as regras
O medo – soprá-lo ao vento
É um momento sem leis
Não és tu quem me vai impedir
De sentir como meu
Todo o espaço que piso
No céu vou deixar todas as tuas ideias – flutuar

Esquece as regras, o medo…

Esquece as regras
O medo – soprá-lo ao vento
É um momento sem leis
Não és tu quem me vai impedir
De sentir como meu
Todo o espaço que piso
No céu vou deixar todas as tuas ideias – flutuar

11 – Sigo a voz p’ra ver:
Sinto,
Já não há tempo para te entender
Não te quero.
Não dramatizes, ninguém vai perder

Sei que nada me vai parar,
Este é o momento de te deixar

Sigo a voz sem ver
O tempo a correr,
A vida não tem mais cor,
Sigo a voz sem ver,
P’ra ser mais feliz
E a vida ganhar valor

Sonhar p’ra me encontrar
Desenhar o meu lugar
Apagar o que de mau ficou

Sigo a voz p’ra ver
O mundo brilhar
Eu vou arriscar sem medo de errar!

Sinto,
Não há nada que me faça mudar
Eu preciso
De libertar-me deste lugar

Sei que nada me vai parar,
Este é o momento de te deixar

Sigo a voz sem ver
O tempo a correr,
A vida não tem mais cor,
Sigo a voz sem ver,
P’ra ser mais feliz
E a vida ganhar valor

Sonhar p’ra me encontrar
Desenhar o meu lugar
Apagar o que de mau ficou

Sigo a voz p’ra ver
O mundo brilhar
Eu vou arriscar sem medo de errar!

Tudo o que quero é ser feliz,
Sentir cada passo no chão,
Desta vez… Virar o meu mundo sem olhar p’ra trás

Sinto,
Já não há tempo para te entender
Não te quero.
Não dramatizes, ninguém vai perder

Sei que nada me vai parar,
Este é o momento de te deixar

Sigo a voz sem ver
O tempo a correr,
A vida não tem mais cor,
Sigo a voz sem ver,
P’ra ser mais feliz
E a vida ganhar valor

Sonhar p’ra me encontrar
Desenhar o meu lugar
Apagar o que de mau ficou

Sigo a voz p’ra ver
O mundo brilhar
Eu vou arriscar sem medo de errar!

12 – Mostra-me o Céu:
Pode não ser mais que uma ilusão
Mas algo me diz p’ra avançar
Posso perder com a desilusão
De alguém que não soube parar…

Mas toco no céu sempre que penso em ti
Sinto a magia no teu olhar
Mesmo que não passe tudo de uma ilusão
Não vou conseguir parar…

Mostra-me o céu e o azul do mar
Mostra-me tudo o que eu sou capaz
Mostra-me a côr do prazer
Dá-me um pouco de paz

Neste momento, com esta paixão
Sei que não consigo parar.
Tudo o que tento nesta situação
É conseguir não me magoar

Mas todo o meu céu não chega p’ra ti,
Quero que me digas como entrar no teu…
Sei que contigo eu vou ser capaz
De te dar de novo o que se perdeu…

Mostra-me o céu e o azul do mar
Mostra-me tudo o que eu sou capaz
Mostra-me a côr do prazer
Dá-me um pouco de paz

Mostra-me o céu e o azul do mar
Mostra-me tudo o que eu sou capaz
Mostra-me a côr do prazer
Dá-me um pouco de paz

13 – O Sol de amanhã:
Será que está por compreender
Aquilo que nos fez morrer
Agora, é hora de acordar e ver nascer
O Sol do amanhã

Quantas vezes te pedi p’ra não mudares o Mundo
E quantas vezes te implorei que fosses tu no fundo
Seres só tu, e eu também
Eu não te quero esquecer
Eu não te vou recordar
De momento não há quem fique a perder

Será que um dia vais saber
O que nos ficou por fazer
Agora, é hora de ficar e reviver
O Sol do amanhã

Quantas vezes te pedi p’ra não mudares o Mundo
E quantas vezes te implorei que fosses tu no fundo
Seres só tu, e eu também
Eu não te quero esquecer
Eu não te vou recordar
De momento não há quem fique a perder

No Sol do amanhã
Virá o renascer
No Sol do amanhã
Não há nada a perder

Quantas vezes te pedi p’ra não mudares o Mundo
E quantas vezes te implorei que fosses tu no fundo
Seres só tu, e eu também
Eu não te quero esquecer
Eu não te vou recordar
De momento não há quem fique a perder

E compra o CD! E em breve.. fica atento.. teremos uma entrevista exclusiva com o FF!!


Deixa um comentário