Carlos Areia: “Tenho horas de um imenso desânimo”

Novembro 17th, 2009 Colocado em Morangos

Carlos Areia tem 65 anos, muitos dos quais dedicados aos palcos. Comediante de mão-cheia, estava no ar com uma rábula em As Tardes da Júlia, mas a saída de José Eduardo Moniz da TVI arrastou-o para o desemprego. Mais do que trabalho e dinheiro, lamenta a falta de um projecto.

– Está sem emprego, sem dinheiro e, quase, sem casa… Confirma?

– Falta-me um emprego, o que é a minha base de sustentação. Mas, sem exageros, não é “pobrezinho e mora longe”, até porque sem casa não fico. O senhorio é meu amigo, perdoa-me o primeiro mês, talvez o segundo… Incomoda-me não ter um projecto de trabalho e sair do que tinha da maneira como saí.

– De que maneira saiu?

– Saí com as mudanças, que, às vezes, se fazem e não se sabe porquê. Desde a saída do Moniz, a realidade é essa, começaram logo a mexer em cargos e as pessoas querem mostrar serviço. Houve alguém que entendeu que o humor não fazia parte do programa As Tardes da Júlia e pronto.

– Teve pré-aviso da cessação de serviço ou foi uma surpresa?

– Não trabalho directamente com a TVI mas com a produtora Sky Light, cujo único comportamento que teve comigo foi o correcto: 15 dias de aviso antes da cessação do contrato e cumprimento integral do mesmo. Nunca isso esteve em causa. O que está em causa é um projecto com pernas para andar que, de repente e sem razão, acaba.

– Como é que se está a aguentar?

– Estou há uma semana à espera de ser recebido na TVI, onde não vou pedir dinheiro mas trabalho. Custa chegar a esta idade e a esta situação. Tenho horas de um imenso desânimo…

– Um desânimo vivido sozinho ou acompanhado?

– Sozinho seria muito pior, felizmente, tenho alguém que me conforta e anima. De resto, a minha companheira trabalha, por aí, não me preocupo. O meu único problema é a falta de trabalho e de dinheiro, mas, sobretudo, não ter o que fazer. Tem de haver alguma responsabilidade moral.

Fonte: Correio da Manhã


Deixa um comentário