Entrevista a Benedita Pereira – A primeira moranguita

Julho 8th, 2006 Colocado em Morangos

É tripeira de alma e coração. Deixou a Invicta aos 18 anos para tentar a sorte em Lisboa. Passou os testes de voz e imagem da NBP e conquistou o papel principal em ‘Morangos com Açúcar’. Em 2003, a manequim começava a tão ambicionada carreira de actriz. Depois de ‘Ninguém como Tu’ volta ao pequeno ecrã mais magra, menos menina e mais mulher com ‘Tempo de Viver’.

– Em termos de composição, que lhe trouxe de novo o papel de Mónica Valentim?

– É um desafio que me dá muito gozo, pois é totalmente diferente do que tenho feito até agora e é um tipo de personagem que sempre quis fazer. Além disso é uma personagem que nada tem a ver comigo por isso, em termos de composição física e psicológica, o desafio é muito maior: tom de voz, olhar, o andar, o sentar… todos esses pormenores são importantes e claro é uma mulher esquemática, fria e sensual… tudo isto diferencia a personagem das outras que fiz e de mim.

– Que importância tem a sua personagem no enredo da telenovela?

– Na minha personagem centra-se o principal mistério do enredo: Quem é esta mulher? Quem manda nela? O que é que foi roubar às torres gémeas? Porque chantageia o Fausto? Qual o seu objectivo? Estas são perguntas que andam à volta da Mónica que nem eu própria sei responder… Outro desafio enorme: Conheço muito pouco da personagem e nunca posso comprometer possibilidades de resposta.

– Dado o seu ar descontraído, como se sente agora a desempenhar o papel de uma mulher mais madura que usa a sensualidade como uma arma? A que artifícios recorre para levar a termo este objectivo?

– A sensualidade é um dos grandes desafios desta personagem visto eu normalmente não ter um comportamento sensual, mas qualquer mulher sabe ser sensual e eu como actriz tenho de saber dominar essas minhas características escondidas. Não é assim tão difícil, principalmente quando temos um bom texto, guarda-roupa, maquilhagem e claro uma boa contracena.

– Recusa ser considerada uma ‘sex symbol’. Quer explicar porquê?

– Não sou uma ‘sex symbol’, não tenho pretensões de o ser e nem a minha atitude perante a vida e a profissão me deixam ser. Sou actriz e num dia posso estar a fazer de mulher fatal e no outro de vagabunda, feia ou mesmo de homem. Não me posso rotular de uma coisa que não quero nem posso ser.

– É a segunda telenovela que faz de Rui Vilhena. Que trazem de novo as estórias deste guionista?

– Polémica, ritmo, muitas estórias dentro da história, humor e ironia, diálogos tão reais e empolgantes que se decoram mais facilmente… Mistério, personagens mais humanizadas, muitos vilões. O espectador fica preso à história desde o primeiro momento.

– A sua cabeleira tem extensões? Como se dá com elas?

– Sim, dou-me bem… Às vezes faz muito calor mas são bonitas e bem feitas, gosto.

– Que aprecia mais no seu novo visual?

– O facto de me sentir bem com o meu corpo, sou mais feliz assim.

– Até que ponto a participação em ‘Morangos com Açúcar’ marcou a sua carreira? Os mais novos ainda a identificam como ‘Joana’, a namorada do ‘Pipo’?

– Os ‘Morangos’ tiveram toda a importância do mundo em termos pessoais e profissionais: Foi a minha escola de televisão e da vida, visto que passei muitas horas da minha vida a trabalhar em estúdio numa fase muito importante. Arranjei os melhores amigos do mundo e aprendi muito. Este último factor foi muito importante para a minha carreira.

– O facto de ser modelo ajudou-a a singrar no mundo da representação?

– Não. Sou actriz e sempre quis ser actriz e desde miúda que luto por isso… Fazer trabalhos de modelo foi só um complemento.

– Recebe muitas cartas de fãs?

– Quando estou no ar recebo muitas mas mesmo sem aparecer ainda há quem me escreva. Agora com este papel, duvido…

– Qual foi a maior gentileza que recebeu de um fã?

– Foi no Porto, quando estávamos em digressão com a peça dos ‘Morangos’, uma menina deu- -nos dois dossiês com recortes da Imprensa de tudo o que saiu sobre os ‘Morangos’ e os actores. É uma recordação muito boa!

– Fale-nos da curta-metragem de promoção que fez para a agência BestModels em que simula um orgasmo. Onde decorreu a cena? Foi difícil fazê-la? A que se destina essa curta-metragem?

– Isso já foi feito há dois anos. Era uma ‘curta’ para promover a agência e a minha cena foi filmada num café em Carnaxide. Uma cena daquelas nunca é fácil de fazer mas gostei muito… era uma citação ao filme da Meg Ryan.

– Está no Trindade a interpretar a peça ‘Terramoto’. Como se sente a representar no palco? E como concilia as duas tarefas?

– Sinto-me muito bem, de volta às raízes mas com mais maturidade. Concilio bem as coisas porque o teatro é só à noite e de dia gravo.

– E onde se sente mais à vontade? No palco, ou nos estúdios?

– O desafio do palco é esse mesmo… nunca estamos à vontade porque temos o público ali de olhos postos em nós e não podemos falhar.. é o friozinho na barriga que nos vicia. No estúdio, apesar do ritmo imposto, estamos mais à vontade porque temos ali a nossa equipa de todos os dias, que nos ajuda e há sempre a possibilidade de repetir.

– Já experimentou a comédia?

– Não em adulta, mas gostava muito. É uma área que sempre me fascinou e quando é bem feita é maravilhoso.

– Em termos profissionais, qual é a sua maior ambição?

– Neste momento é trabalhar nas três áreas (adorava experimentar cinema), ter sempre papéis diferentes e grandes desafios para conseguir evoluir de trabalho para trabalho.

– É muitas vezes assediada? Como reage?

– Não. Acredito que só somos muito assediados se procurarmos o assédio porque se não lhe dermos muita importância, também não nos afecta muito.

– Tem, há três anos, uma loja de roupa no Porto. Agora abriu outra em Lisboa. Por que optou por este tipo de negócio? Costuma aparecer na loja? Passa lá algum tempo?

– É um negócio de família, maioritariamente da minha irmã e também da minha mãe. A minha irmã criou uma loja com um conceito muito próprio e que muita gente gosta. Além de adorar a loja, promovo-a, dou a cara por ela. A loja é no Bairro Alto, na Rua das Salgadeiras n.º 10, e costumo lá ir antes de ir para o teatro.

– Quem é a sua referência na representação?

– Meryl Streep, Manuela Couto, referências femininas sempre.

A PRIMEIRA ACTRIZ A ESTREAR ‘MORANGOS COM AÇÚCAR’

CARREIRA NA TV
Benedita queria ser actriz e passar pelos palcos e pelas câmaras do cinema e da TV. Teve uma pequena participação na série ‘Bairro da Fonte (SIC). Em 2003 estreou-se como protagonista de ‘Morangos com Açúcar’ e em 2005 fez ‘Ninguém como Tu’ (TVI).

PERFIL
Idade: 20 anos
Profissão: Actriz
Altura: 1,74 m

CARA NA MODA
Nascida no Porto, Benedita Aires Pereira, que faz 21 anos no final de Julho, frequentou dos 8 aos 16 anos um curso de teatro no Balleteatro Centro de Formação do Porto. Começou a trabalhar como manequim aos 16. Fez trabalho de ‘passerelle’ e catálogo. Foi a moda que a lançou na TV. Mede um metro e 74 centímetros e calça o número 39.

NOVA IMAGEM NA TELENOVELA DE HORÁRIO NOBRE DA TVI

CONSELHO AO FUTURO ACTOR
Quem quiser ser actor e não famoso, deve lutar muito, investir na formação e aprender a trabalhar, se for possível. E mais não sei porque eu é que preciso de conselhos!

PRÓS E CONTRAS DA FAMA
A vantagem de ser actriz? Fazer um trabalho que gosto e que não é rotineiro nem sedentário. Desvantagem? Poder ficar muito tempo sem trabalho e perder a privacidade.

CENAS OUSADAS NO EPISÓDIO DE ESTREIA DE ‘TEMPO DE VIVER’

A IMITAÇÃO DE SHARON STONE
“Sinceramente, deu-me muito gozo fazer essas cenas porque puxavam pelo lado sensual e ao mesmo tempo frio e calculista da personagem”, conta Benedita Pereira a propósito do descruzar de pernas que marcou o episódio de estreia de ‘Tempo de Viver’. Se fosse preciso uma interpretação ainda mais arrojada, Benedita fala-ia: “Se se justificasse e eu me sentisse bem, porque não?”
Autora: Eugénia Ribeiro
Fonte: CM


(Clicar na imagem para ampliar)


2 Comentários em “Entrevista a Benedita Pereira – A primeira moranguita”

  1. Anonymous Says:

    É uma pena não ter sido necessária a tal interpretação mais arrojada… :((



  2. Equipe Salão Says:

    Adorei a entervista!! A Benedita Pereira apesar de não estar mais presente nos morangos faz parte da alma deles porque foi com ela que tudo nasceu. Beijos



Deixa um comentário